domingo, 27 de junho de 2010

OBESIDADE, um prejuízo para a saúde


O governo tem reconhecido que a obesidade é um problema de saúde pública.

As pessoas obesas, particularmente as mulheres, são socialmente estigmatizadas. Essa percepção negativa afeta seu estado educacional, socioeconômico, psicossocial e profissional.

Sobrepeso é atualmente definido como índice de massa corpórea (IMC) de 25 a 29,9 e obesidade definida como IMC acima de 30 (faça o cálculo do seu IMC multiplicando a sua altura por dois, depois divida o seu peso sobre o resultado do cálculo da sua altura: peso/altura x 2= IMC).

Na medida em que há aumento de IMC, há um aumento do risco de doença arterial coronariana (DAC) e o desenvolvimento de outras doenças crônicas. A distribuição de peso corpóreo na região do abdome e quadril é também preditor de DAC e afeta os níveis de tolerância à glicose e de lipídico sérico (colesterol circulante no sangue).


Alguns prejuízos inusitados do excesso de peso:

Enxaqueca: a prevalência de enxaqueca tem relação direta com o IMC. As células de gordura produzem substâncias inflamatórias, levando a crer que elas agravam o quadro de dor em indivíduos com predisposição ao problema.

Sono: o descanso noturno também é prejudicado pelo excesso de peso. Uma pesquisa nos EUA, analisou 1.300 voluntários de ambos os sexos e concluiu que os obesos tiveram mais insônia e dificuldade para chegar aos estágios mais profundos do sono. Em muitos casos, parte do excesso de gordura se acumula no pescoço. Por causa dela, quando o indivíduo se encontra na posição horizontal, sua faringe fica mais estreita, o que favorece episódios de apnéia (suspensão momentânea da respiração). Cada vez que isso acontece, há a liberação de hormônios que elevam a pressão arterial e os batimentos cardíacos. Esse fenômeno pode ocorrer centenas de vezes por noite, o que faz esse pessoal não repousar adequadamente, causando sonolência diurna.

Humor: um estudo realizado com mais de 17 mil adultos descobriu que as mulheres com sobrepeso ou obesas correm 31% mais risco de sofrer de depressão. Quando a pessoa engorda muito, ela se isola e deixa de viver muitas coisas importantes por não querer se expor.

Dentição: a obesidade está associada a um aumento de 29% na ocorrência de problemas da gengiva, no osso e nos ligamentos que dão suporte aos dentes. Além disso, nos casos em que a circunferência da cintura estava acima de 101 centímetros, houve um salto na incidência dos distúrbios bucais. Mais uma vez as substâncias inflamatórias produzidas pelas células de gordura parecem ser as culpadas.


Alguns problemas que acompanham a obesidade:


> Diabete;

> Dificuldades respiratórias;

> Problemas musculares, articulares, esqueléticos e circulatórios;

> Hipertensão;

> Doenças cardiovasculares e pulmonares;

> Câncer;

> Disfunções na vesícula biliar.


Recomendações para diminuir e/ou manter o peso:


> Fique longe das dietas radicais: quem perde peso rápido, o ganha rápido também;

> Reeduque a sua alimentação: consuma de acordo com o seu gasto energético;

> Pratique alguma atividade física: o corpo em movimento evita o acúmulo de gordura em excesso e melhora o seu condicionamento físico.

2 comentários: